TerraEsportesMundial 2002
  Mundial 2002 em: Argentina | Brasil | Costa Rica | Espanha | EUA | México | Uruguai
 Ligado no Mundial
Tudo o que você encontra na cobertura especial do Terra
Rivaldo dá volta por cima e cala críticos
 

Quinta, 4 de julho de 2002, 17h38

Sérgio Roxo

São Paulo – Ganhar o prêmio de melhor do mundo não é suficiente para um jogador escrever o seu nome na história do futebol. Para entrar no seleto grupo dos deuses da bola, é necessário brilhar em uma Copa do Mundo. É nesta competição que se separa os homens dos meninos, o joio do trigo.

O Mundial da Coréia e do Japão serviu para Rivaldo – melhor do mundo em 99 - provar que está no grupo dos grandes. Foram cinco gols. Mas mais do que isso a competição serviu para o jogador fazer definitivamente as pazes com a torcida e calar os críticos.

Há alguns meses, seria difícil imaginar que o atacante poderia apagar a fama de amarelão com a camisa brasileira. Rivaldo passou toda a última temporada do futebol europeu alternado jogos e longos períodos no departamento médico.

O joelho esquerdo não dava sossego ao jogador. A torcida do Barcelona e a imprensa da Espanha não perdoavam os períodos de ausência e a dedicação do jogador à Seleção. No Brasil, as críticas após cada jogo da Seleção não eram menores.

Pressionado de todos os lados, Rivaldo cogitou a hipótese de dizer um não definitivo à Seleção. Em 15 de novembro de 2000, o jogador foi xingado em coro no Morumbi na vitória do Brasil, de Leão, por 1 a 0 sobre a Colômbia, nas Eliminatórias.

A idéia de dar um adeus definitivo foi esquecida. Mas o ombro amigo e a tranqüilidade para se recuperar, Rivaldo só foi encontrar com Felipão. Logo na primeira entrevista, o novo treinador afirmou: "O Rivaldo tem crédito e precisa ir mau em 10 jogos seguidos para eu rever minha posição sobre ele."

O atacante não chegou a fazer as 10 partidas ruins, mas seguiu dando um show de péssimas atuações. Parecia que ele estava guardando toda a genialidade para o Mundial. Rivaldo sofreu com nova contusão e não disputou o final de temporada pelo Barcelona, em maio. Foi cogitada até a possibilidade do atacante não disputar a Copa.

Mas Felipão atacou mais uma vez de teimoso. Apostou no craque e foi recompensado. Além de um bom futebol, Rivaldo também mostrou uma nova face dentro da competição: deu entrevista, mostrou simpatia diante das câmeras e carisma. Ou seja, virou um ídolo.
 

Redação Terra
Mais Notícias
Felipão deve seguir no comando da Seleção?
Sim, só com ele trazemos o hexa
Não, o Brasil ganhou, mas não jogou bonito




 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2004,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinate | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade