TerraEsportesMundial 2002
  Mundial 2002 em: Argentina | Brasil | Costa Rica | Espanha | EUA | México | Uruguai
 Ligado no Mundial
Tudo o que você encontra na cobertura especial do Terra
Felipão ri por último contra os críticos
 

Domingo, 30 de junho de 2002, 11h46

» Para Felipão, Rivaldo é o melhor do Mundial
» Felipão tem 77,3% de aproveitamento na Seleção
» Felipão vira ex-professor para Gilberto Silva
» FHC diz que lágrimas de Ronaldo e Felipão são de todos brasileiros
» Ex-telefone de Felipão fica congestionado depois do título
» Felipão segura lágrimas e lembra da família
» Felipão diz que Seleção serve de exemplo para o país
» Felipão diz que Alemanha jogou como ele esperava
» Felipão volta a destacar a união do grupo

Porto Alegre - O Mundial da Coréia do Sul e do Japão foi a consagração para um dos técnicos mais vitoriosos e polêmicos do Brasil. Tachado de violento e autoritário, Luiz Felipe Scolari chegou neste domingo ao penta depois de resgatar a auto-estima da Seleção Brasileira, conquistar a confiança da torcida e se transformar, de jogo em jogo, numa quase unanimidade nacional. Depois da vitória do Brasil, resta aos críticos admitirem: ok, ele venceu.

O título do Mundial é o ápice de uma carreira que começou na zaga do Aimoré, clube do Rio Grande do Sul. Jogador apenas esforçado, Felipão pendurou as chuteiras em 1981, no CSA, de Alagoas, e iniciou a carreira que o deixaria conhecido: de técnico. Ainda em 1982, conquistou o primeiro título, de campeão alagoano com o CSA.

Só a partir de 1991, porém, o técnico ganhou projeção. Venceu a Copa do Brasil, comandando o Criciúma. Três anos depois começaria no Grêmio o caminho que o tornou conhecido. Mesmo conquistando os títulos da Copa do Brasil (1994), Libertadores (1995) e Brasileiro (1996), enfrentou críticas pelo estilo combativo do time. Para os críticos, era um treinador que pregava a violência e mandava os jogadores agredirem o adversário. A fama o acompanhou no Palmeiras (1998 a 2000) e Cruzeiro (2000 a 2001), depois de uma passagem pelo Jubilo Iwata, do Japão (1996 a 1997).

No ano passado, Felipão assumiu o comando da Seleção Brasileira com forte apoio popular. A equipe teve dificuldades nas eliminatórias, só se classificou em terceiro e acabou chegando ao Mundial sob ceticismo.

Para piorar, o técnico ainda ignorou a exigência nacional pelo tetracampeão Romário. Felipão preferiu apostar na juventude e na recuperação de Ronaldo e Rivaldo, ambos se recuperando de lesões. Também se destacou ao criar um grupo de jogadores unido.

O resultado: mesmo sem dar show, a Seleção foi eficiente e venceu. Para alegria de Felipão, que agora vê prevalecer a tese de que o importante é vencer, jogando feio ou bonito.
 

Redação Terra
Mais Notícias
Felipão deve seguir no comando da Seleção?
Sim, só com ele trazemos o hexa
Não, o Brasil ganhou, mas não jogou bonito




 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2004,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinate | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade